Responsável pelo Museu Nacional, UFRJ preferiu captar dinheiro para criar rádio

Responsável pelo Museu Nacional, UFRJ preferiu captar dinheiro para criar rádio

O reitor da UFRJ, Roberto Leher, é um dos fundadores do PSOL, enquanto o responsável pela pró-Reitoria de Finanças, Roberto Antônio Gambine Moreira, é militante do PCdoB

Mais antigo do país, o Museu Nacional – que pegou fogo na madrugada do último domingo (02) – é subordinado à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e vinha passando por cortes de orçamento para manutenção desde 2014, dois anos antes da “PEC do Teto”. E documentos da UFRJ mostram que a universidade tinha outras prioridades culturais.

Relatórios da Pró Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças da UFRJ obtidos pelo ILISP mostram que a universidade atuou para obter recursos extras por meio de emendas parlamentares, mas que a prioridade não era o Museu Nacional, mas criar a “Rádio UFRJ FM”. Para este fim foi obtido um total de R$ 2,24 milhões em dois anos (2016 e 2017), o suficiente para custear a manutenção do Museu Nacional, orçada em R$ 520 mil anuais, por pouco mais de quatro anos.

No evento “A Comunicação na UFRJ“, realizado em 2016, o superintendente de comunicação do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, Fernando Salis, deixou claro que a Rádio UFRJ FM é a prioridade: foi tratada como “o principal projeto de comunicação pública do país”, com a pretensão de concorrer com as principais rádios privadas do Rio de Janeiro. Segundo Fernando, é necessário “radicalizar uma política de comunicação pública no país e a universidade pública é pioneira nisso”. O reitor da UFRJ, Roberto Leher, é um dos fundadores do PSOL, enquanto o responsável pela pró-Reitoria de Finanças, Roberto Antônio Gambine Moreira, é militante do PCdoB.

Por outro lado, desde 2014 o Museu Nacional não vinha recebendo a totalidade da verba prevista para manutenção. O local apresentava sinais visíveis de má conservação, como pareces descascadas e fios elétricos expostos, há muito tempo: o então Secretário Estadual de Energia, Wagner Victer, chegou a alertar há 14 anos que o museu pegaria fogo: “O museu vai pegar fogo. São fiações expostas, mal conservadas, alas com infiltrações, uma situação de total irresponsabilidade com o patrimônio histórico”.

(Ilisp/Marcelo Farias)

Expresso CE - Interna Inner