Pelo terceiro dia consecutivo, feirantes e Guarda Municipal entram em confronto

Mais de 200 feirantes fazem, desde o início da manhã de terça, 16, uma manifestação no lado direito da avenida Alberto Nepomuceno, esquina com a rua José Avelino, no Centro. Agentes de Operações Especiais da Guarda Municipal (GOE) entraram em confronto com os manifestantes, que colocaram fogo em pneus. A Guarda utilizou bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta contra os feirantes.

O cruzamento da rua José Avelino e avenida Alberto Nepomuceno, no Centro, continua bloqueado, e somente uma das faixas de trânsito está liberada, no sentido praia-sertão. Os incêndios das barricadas dos feirantes foram controlados ainda no início da manhã, antes das 8 horas. 

Equipes do Grupo de Comando de Distúrbios Civis (CDC) e do Comando Tático Motorizado (Cotam) fazem barreira do lado esquerdo da Alberto Nepomuceno, próximo aos feirantes. Eles indicam que a concentração deve continuar para evitar o início das obras no local.

Moradores da comunidade Baixa Pau depredaram dois ônibus

Segundo o subtentente da Polícia Militar que se identificou somente como Thêmio, durante confronto entre o GOE e os manifestantes, os guardas munipais entraram na comunidade do "Baixa Pau".

Ainda segundo ele, por conta disso, pessoas não identificadas, que não estavam com os manifestantes, depredaram dois ônibus da empresa Vega, no cruzamento das rua Boris com avenida Presidente Castelo Branco, por volta das 9h30min.

Os ônibus não chegaram a ser incendiados, conforme o motorista de um dos veículos, porque não havia material inflamável.  "A primeira pedra que jogaram eu ainda estava dentro. Aí depois mandaram eu descer e quebraram. Não queriam fazer nada com a gente, não, apenas quebrar", disse o motorista Marcelo Costa.

O cruzamento onde os ônibus foram depredadosfoi liberado por volta das 10h20min, e o trânsito voltou a fluir no local. O entorno da Catedral continua bloqueado por guardas municipais. 

(O Povo)