Ativista mirim Greta Thunberg quer que Facebook censure seus críticos

A ativista mirim Greta Thunberg, que ganhou fama internacional após discursar na ONU sobre mudanças climáticas, ameaçou deixar o Facebook se a plataforma se recusar a censurar seus críticos.

“Estou, como muitos outros, questionando se devo continuar usando o Facebook ou não”

escreveu Thunberg em um post do Facebook na semana passada. A ativista continua sua reclamação alegando que

“Permitir discursos de ódio, a falta de verificação de fatos e, é claro, as questões de interferir na democracia… estão entre muitas, muitas outras coisas que são muito perturbadoras […] As constantes mentiras e teorias de conspiração sobre mim e inúmeras outras, é claro, resultam em ódio, ameaças de morte e, finalmente, violência. Isso poderia ser facilmente interrompido se o Facebook quisesse. Acho que o fato de o Facebook  não assumir suas responsabilidades é muito perturbadora ”

Greta é fundadora do Youth Climate Strike (Greve das escolas pelo clima) e tem desfrutado do enorme estrelato por conta de seu ativismo climático, conquistando a popularidade de pesos pesados de esquerda como Barack Obama, Hillary Clinton e Elon Musk.

Musk disse no mês passado que Thunberg tem “melhor raciocínio e mais coração do que a grande maioria dos líderes políticos”, enquanto Hillary a chamou de “mulher corajosa” e o ex-presidente Obama elogiou a jovem de 16 anos como “uma das maiores defensoras do nosso planeta”

No entanto, Thunberg está revoltada contra as críticas, sugerindo que aqueles que se opõem à sua cruzada estão “interferindo na democracia” e devem ser censurados pelo Facebook.

A ativista ambiental instou seus fãs a “desafiarem” o Facebook a silenciar seus antagonistas, insistindo que “se um número suficiente de nós exigir mudanças – então as mudanças virão”.

As questões de mídia social de Thunberg não se resumem apenas com o Facebook, ela também reclamou que o Twitter não fez um bom trabalho, deixando de protegê-la.

A adolescente ativista sueca repreendeu a Assembléia Geral das Nações Unidas no mês passado, “acusando” os líderes mundiais por terem “roubado meus sonhos e minha infância”.

(EstudosNacionais)

Expresso CE - Interna Inner