Tasso culpa Temer por desarticulação na derrota da reforma trabalhista na comissão

O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissatti (CE), culpou a desarticulação política do governo e o presidente Michel Temer pela derrota na votação da reforma trabalhista hoje na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Um dos três votos que levaram a derrota foi do senador Eduardo Amorim (PSDB-SE). Outros dois senadores, Hélio José (PMDB-DF), e Otto Alencar (PSD-BA) votaram contra.

Segundo Tasso, Amorim já tinha avisado que votaria contra, por pressão da esposa que trabalha na Ministério Público do Trabalho, e que caberia aos líderes sua substituição na Comissão, mas tanto o líder Paulo Bauer (PSDB-SC) e o ministro Antônio Imbassahy, do PSDB, viajaram para a Rússia com Temer. Tasso reclamou que houve uma falha de articulação.

— Por alguma razão o Eduardo Amorim, que já tinha avisado que votaria contra, estava na votação hoje. Quem determina isso são os líderes. O Paulo Bauer e o Imbassahy estão viajando. Como que num dia como hoje Temer leva todo mundo para Moscou? Levou todo mundo para Moscou e se esqueceu da votação. O erro foi do governo, que levou o articulador político e o líder no Senado — rebateu Tasso.

E aproveitou para alfinetar o PMDB por causa do voto de Hélio José.

— Poderiam resolver o problema do PMDB também né? O Otto também votou contra porque o senador Petecão se ausentou e ele votou no lugar. Quem fez isso? Deve ter sido um fantasma — ironizou Tasso.

(O Globo/Foto: Givaldo Barbosa/Agência O Globo)