Governo do Ceará desmente alerta de peste bubônica

Uma nota mal elaborada pela Secretaria de Saúde do Ceará sobre a peste bubônica no estado causou confusão nas redes sociais e entre diversos veículos de imprensa nesta terça-feira (13). Segundo a pasta, o estado não tem focos da doença atualmente e o relatório tinha apenas o objetivo de esclarecer os governos municipais sobre o tema.

No entanto, a nota, que foi publicada nesta segunda-feira (12), afirma que a vigilância deve ser prioritária em 42 cidades do estado. Já a segunda nota serve para esclarecer que esses locais foram considerados como prioritários por que, em algum momento do passado, eles já abrigaram roedores que portavam pulgas infectadas pela doença.

Por isso, de acordo com Vivian Gomes, assessora técnica do Núcleo de Controle de Vetores da Secretaria de Saúde do Ceará, a ideia da nota era detalhar aspectos de vigilância nessas áreas para evitar o reaparecimento da doença em humanos. 

De acordo com a nota, a eventual “persistência desses focos” nessas cidades “deve ser considerada uma ameaça real e permanente de acometimento humano nessas regiões, que pode estender-se para outros lugares, inclusive centros urbanos, tornando-se imperativo que os técnicos de saúde estejam preparados para lidar com o problema”.

A Secretaria da Saúde do Ceará afirmou que o último caso de peste humana no estado foi confirmado em 2005 no município de Pedra Branca. E, por ora, não há indícios de um novo surto da doença na região. Segundo o governo, a peste bubônica ainda não é uma ameaça. 

A nota diz ainda que "o alerta é para os profissionais continuarem a realizar o trabalho de prevenção e controle desta, como também de outras doenças, e assim, evitarem o reaparecimento de casos no Ceará".

Sobre a peste negra

Também conhecida como peste humana, a peste bubônica é uma doença infecciosa transmitida por meio de uma bactéria presente em pulgas alojadas em roedores, como ratos.

Os sintomas da peste bubônica em humanos são abatimento, dores de cabeça e no corpo, vômitos, pulso acelerado, arrepios de frio, febre alta e bubões. No século 14, a epidemia da peste negra, causada pela bactéria, levou milhares de pessoas à morte na Europa.